Saltar al contenido

Este motor elétrico copia motores a diesel e a gasolina para melhorar sua eficiência. E além disso, oferece 340 HP em formato mini

1706211238 840 560

O carro elétrico tem inúmeras vantagens em relação à gasolina ou diesel quando falamos de experiência de utilização. O seu movimento é muito mais silencioso, as vibrações são mínimas e, acima de tudo, tem a vantagem de armazenar uma enorme potência num motor muito pequeno.

Este último está sendo utilizado pelos fabricantes de diferentes maneiras. Por exemplo, permite que o carro tenha uma frente bem menor ou formatos mais aerodinâmicos, já que ocupam muito espaço. menos espaço. Além disso, este último também permite ganhar um segundo porta-malas na frente.

Com tanto espaço disponível, a Mazda optou por montar um motor rotativo no seu MX-30, que também se caracteriza pelas suas pequenas dimensões para criar um carro eléctrico de autonomia alargada com 170 CV mas que não teme cargas, pois também pode operar queimando gasolina.

E a última grande vantagem é o seu peso. Um motor elétrico é muito mais leve do que a gasolina ou o diesel, o que permite aos fabricantes não se aprofundarem em um dos grandes problemas desse tipo de tecnologia.

340 CV em apenas 75 kg

Com toda uma indústria a caminhar para o carro eléctrico, existe uma enorme rede de fornecedores que estão a dar o salto para esta tecnologia e a apresentar os seus desenvolvimentos, procurando o interesse dos grandes fabricantes.

Uma delas é a Magna International, empresa que na última CES Ele se concentrou em seu novo motor totalmente elétrico. Esta empresa alemã vem anunciando desde o verão passado detalhes sobre um interessante propulsor que é capaz de gerar 340 CV de potência pesando apenas 75 kg.

Para nos dar uma ideia melhor, os motores a gasolina da maioria dos veículos que vemos nas ruas pesam entre 120 e 200kg, dependendo em grande parte do seu deslocamento. Durante anos, como fórmula para reduzir emissões, o redução que consiste em compactar o motor reduzindo sua cilindrada e geralmente deixando-o em três cilindros.

Com esta forma de agir, o motor perde inevitavelmente potência, pelo que a solução dos fabricantes foi incorporar um turboalimentador que lhe permitisse manter potência suficiente para tornar o carro verdadeiramente prático no dia a dia e, principalmente, fora da cidade.

Esta foi uma das fórmulas para reduzir as emissões, mas também foram aplicados outros pequenos truques, como desligar os cilindros ou desacoplar o motor da transmissão. Assim, as rodas giram livremente quando não pressionamos o pedal do acelerador e o motor não segura o carro em nada.

Todas essas funções, porém, geram motores mais complexos. Assim, um motor a diesel ou a gasolina com Sistema Star&Stop ou que possa ser desacoplado da transmissão requer um sistema específico projetado exclusivamente para esse fim.

Isso não acontece com o motor Magna International o que permite desacoplar o motor elétrico através de seu sistema e Desacoplamento. É uma função ainda não experimentada, pois as perdas por arrasto de um motor elétrico são baixas. Porém, este propulsor os elimina, conectando ou desconectando o propulsor em 100 milissegundos.

As vantagens são óbvias: se não houver perdas de arrasto, o próprio motor não ajudará a perder potência quando tirarmos completamente o pé do acelerador. Será a carroceria do veículo que freará o carro em maior ou menor grau, dependendo de sua aerodinâmica, mas o motor do carro em si não terá influência.

Isto resulta num veículo ainda mais eficiente, com um motor extremamente compacto e também polivalente pois foi projetado para ser instalado em qualquer um dos dois eixos (dianteiro ou traseiro), na posição vertical ou horizontal e compatível com sistemas de 800 V.

 

 

Etiquetas:

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *